Notícias

Notícias

 

Vários locais da cidade preservam a memória do Golpe militar de 1964 - Assista

 

 

 

CONVITE

Visando avançar ações de memória e justiça em relação aos mortos e desaparecidos na ditadura, no decorrer de novembro, a Comissão da Verdade da PUC-SP Reitora Nadir Gouvêa Kfouri em parceria com a Comissão da Verdade da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo irão realizar audiências públicas sobre os cinco alunos da PUC-SP, Maria Augusta Thomaz, José Wilson Lessa Sabag, Carlos Eduardo Pires Fleury, Luiz Antonio Araújo e Cilon da Cunha Brum, assassinados e desaparecidos.

Como atividade preparatória a tais audiências, será realizada palestra, descrita abaixo, sobre as propostas de resistência à ditadura, então vigentes. Para tanto, serão analisadas a conjuntura internacional, antes e após o golpe militar de 1964, as concepções e propostas do Partido Comunista Brasileiro (PCB) para as reformas da sociedade brasileira e as concepções e as razões que, de uma maneira geral, levaram organizações e partidos de esquerda – ALN, VPR, VAR Palmares, PCdoB, entre outras – à opção pela luta armada como caminho para a revolução.

Palestra: Ditadura: caminhos da resistência

Palestrantes:   Rosalina de Santa Cruz Leite
                       José Luiz Del Roio
                       Celso A. Horta
Coordenação: Marijane Vieira Lisboa

Dia: 31/out/2013
Horário: 19:30 horas
Local: Auditório 239 do edifício Reitor Bandeira de Melo (Prédio Novo) da PUC-SP.

Comissão da Verdade da PUC-SP Reitora Nadir Gouvêa Kfouri

 

A 77ª Caravana tem como objetivo realizar sessão externa de julgamento de processos de Anistia Política, na qual serão julgados processos de cidadãos perseguidos durante o regime repressivo em São Paulo/SP; neste caso a apreciação dos requerimentos de militantes da Convergência Socialista.

Atividades como essas, além do julgamento de processos de anistia política, objetivam promover a reflexão e o resgate histórico de fatos que marcaram esse período, dando ênfase aos movimentos de resistência.

Ademais, essas atividades visam realizar um dos objetivos da política pública de educação em direitos humanos, implementada pela Comissão de Anistia, qual seja, resgatar, preservar e divulgar a memória política brasileira, em especial do período relativo à repressão ditatorial, estimulando e difundindo o debate junto à sociedade civil de temas da anistia política, da democracia e da justiça de transição por meio de ações educativas e culturais.

A PUC SP acolheu essa iniciativa não só pelos ex-alunos envolvidos nesse processo, como também pelo papel histórico desta Universidade na resistência à ditadura civil militar.

A participação da comunidade puquiana neste ato faz parte da luta de hoje por Memória.Verdade e Justiça.

PARTICIPE.
Local: TUCA, dia 25/10, sexta feira, às 9:00 horas da manhã.

 

 

Conecte-se à PUC-SP